Religare: As experiências visuais de Fernando Gomes

02 de maio de 2018 ● POR Tribo Skate

Colaborador Tribo Skate em Salvador, Fernando Gomes disponibiliza online o vídeo Religare, sua primeira experiência com produções audiovisual.

Parte integrante de um projeto que também inclui o volume três do fanzine impresso Hedonismo e o texto que reproduzimos abaixo, o vídeo de 14 minutos traz experiências visuais da natureza como plano de fundo e o skate soteropolitano como personagem principal.

Religare as experiências visuais de Fernando gomes

Sergio Santoro, flip wallride

Religare as experiências visuais de Fernando gomes

Luis Moschioni, sugarcane (Fernando Gomes)

Depois de sua estreia em Salvador e exibições por skateshops no Brasil afora, está disponível online o vídeo completo.

Assista acima ao vídeo, confira abaixo imagens do zine impresso e fotos feitas durante as gravações que saíram nas páginas da Tribo Skate!

Religare as experiências visuais de Fernando gomes

Pedro Lima

Religare as experiências visuais de Fernando gomes

Marcelo Batista, smith (Fernando Gomes)

Religare as experiências visuais de Fernando gomes

Luis Moschioni

Religare as experiências visuais de Fernando gomes

Alvaro Koringa, hardflip (Fernando Gomes)

Religare

“Somos essencialmente natureza, parte importante e minúscula de um universo. O modo de vida padrão das grandes cidades nesse tempo em que vivemos nos faz ignorar ou esquecer disso. Alguns por determinados momentos, outros por toda uma vida.

Esse brinquedo que tanto amamos e chamamos de skate, carrinho, board, atua como veículo de acesso à nossa natureza em meio ao caos das selvas urbanas em que vivemos. Ainda que inconscientemente, os momentos com o pé na lixa também têm caráter espiritual, de êxtase semelhante aos de contato com ambientes naturais.

Acredito que seja o que nos dá as manhas de fazer algo tão pessoal em meio ao excesso de informação e energia das ruas.

E assim como a natureza vence o caos que a humanidade lhe causa, nós também vencemos esse caos, ironicamente se divertindo no que seriam os seus obstáculos de concreto. Basta um pouco de umidade para algumas espécies de plantas brotarem em paredes. Basta um pouco de vela que a gente arruma logo uma outra maneira de intervir numa borda de cimento.

Pense no que você (ainda) não enxerga e lembre sempre que somos parte. Um do outro e de tudo.

Esse texto, a série de imagens e o vídeo são consequência da percepção do skate como instrumento de conexão com nós mesmos, com o que há de natural em cada um de nós e que pode estar perdido em certos momentos.

Somos parte.”